A ansiedade está sendo considerada por muitos o mal do século. Num contexto popular, é vista quando estamos passando por um momento de pressão ou apreensivo com alguma situação, mas a ansiedade é muito mais abrangente.

A ansiedade é uma emoção normal do ser humano, quem nunca ficou nervoso diante de um encontro, antes de uma prova ou uma entrevista de emprego? Entretanto, existem cada vez mais casos em que esses sintomas tomam conta da vida da pessoa, impedindo-a de fazer coisas simples do dia-a-dia, transformando-se em uma doença (o texto continua abaixo da foto).

Cláudia Maria dos Santos Goulart é psicóloga clínica. (31) 99132-8342 // rua Padre Eustáquio, 2.224 – sala 208, bairro Padre Eustáquio – BH/MG // claudiadossantos3@yahoo.com.b

Quando a preocupação com pequenas coisas passa a ser excessiva, há irritação, humor explosivo, medo constante e extremo, problemas para dormir e situações que dificultam a vida do indivíduo ou dos que estão à sua volta, podem ser sinais, tanto em crianças quanto adultos, da presença de um transtorno ansioso.

A crise de ansiedade é um momento em que a sensação de angústia e insegurança aumenta de forma a deixar o indivíduo descontrolado, com o temor que alguma catástrofe acontecerá.

Em resposta a esse medo exagerado, algumas reações físicas do organismo são comuns e difíceis de controlar: batimentos cardíacos acelerados, respiração ofegante, pupilas dilatadas, sudorese, tremores e náusea.

Felizmente, a ansiedade pode ser tratada! Um conjunto de fatores é importante para ajudar no tratamento desse distúrbio: atividade física diária, alimentação adequada, técnicas de relaxamento, acupuntura e atividades de lazer. Em alguns casos é necessário também o uso de medicamentos durante um tempo.

A terapia com um psicólogo também é fundamental para o sucesso do tratamento.

Pode ajudar o paciente a entender os fatores do dia-a-dia que desencadeiam a ansiedade, realizando uma avaliação do ritmo do cotidiano, estudos, trabalho e família, levando a pessoa a adotar um novo estilo de vida.

Para ler outros artigos da psicóloga Cláudia Maria dos Santos Goulart, clique aqui.



Comentários

comentários