Não há como contar a história do bairro Padre Eustáquio sem recordar a de Francisco Leite, um empreendedor que, em plena 2ª Guerra Mundial (1939-1945), começou a construir a padaria que se tornaria referência para diferentes gerações de moradores da região.

Chico Leite, como ficou conhecido, tinha apenas 27 anos. Já era casado com Rosa Zandona, uma italiana 10 anos mais nova. Apaixonados, dedicados e religiosos, o casal seguia o lema “determinação, trabalho e fé”.
Foi assim que eles abriram as portas da Padaria Padre Eustáquio em 18 fevereiro de 1946. Não foi tarefa fácil. A construção do imóvel durou quatro anos. Mas valeu a pena.

Quem conta é seu Jonas, filho de Chico Leite: “Durante a construção do imóvel, o próprio Padre Eustáquio perguntou ao meu pai o que seria aquela construção. Ao saber que seria uma padaria, o hoje beato disse a meu pai que ‘o pão é um alimento abençoado'”.
Chico Leite empregou famílias, gerou renda ao bairro e colecionou amigos.
MEMORIAL
Para manter viva tanto a lembrança de Chico Leite quanto a do passado do bairro, os sócios estão expondo na padaria objetos antigos. “Uma espécie de memorial em homenagem ao fundador”, disse Abraão.
A vedete do acervo é a Kombi fabricada em 1969 e estacionada na entrada principal da padaria. Sobre a carroceria, caixas registradoras e um baleiro antigos. Pouco à frente, sobre uma prateleira próxima ao espaço da lanchonete, mais objetos antigos, como máquinas de escrever e de pesar e aparelhos de telefone de linha fixa.
Nas paredes, quadros com fotos da época em que as imagens eram apenas em preto e branco. O mais novo item do acervo é uma bicicleta antiga, idêntica a que Chico Leite e seus colaboradores usavam para entregar mercadorias numa época em que os bondes percorriam a rua Padre Eustáquio, que era de paralelepípedo.
“Vamos colocar nela uma cesto e uma lata de leite”, adiantou Abraão. À padaria, como dizia Padre Eustáquio, “saúde e paz!”.

A padaria Padre Eustáquio fica na rua homônima, número 2.320, em frente ao santuário dos Sagrados Corações.

Leia também

Padre Eustáquio já foi a rua dos cinemas em BH

De dar água na boca



Comentários

comentários